Policiais civis impedem usinas de descarregarem no Porto de Maceió

Sindicato culpa usineiros por barrar negociações com o governo.
Além disso, os agentes reclamam que empresários não pagam tributos.


O Sindicato dos Policias Civis de Alagoas (Sindpol) faz um protesto, nesta quarta-feira (26), em frente ao Porto de Maceió, impedindo a entrada de cargueiros de usinas do estado. A categoria, que realiza a chamada Operação Padrão desde o dia 7 de fevereiro, afirma que o estado deixou de arrecadar tributos das usinas há mais de 26 anos e esse recursos poderaim ser revertidos para a segurança pública, por exemplo.
Cargueiros de usinas são impedidos de descarregar no Porto de Maceió (Foto: Cau Rodrigues/G1)Sindpol diz que somente usinas estão impedidas de descarregar no porto. (Foto: Cau Rodrigues/G1)
O vice-presidente do Sindpol, Edeílton Gomes, afirma que muitos usineiros que estão no poder barram as negociações com os policiais civis. "O trânsito para o maceioense não está sendo prejudicado, nós só não vamos deixar os cargueiros das usinas passar até que o governo nos chame para uma conversa", diz o sindicalista.
Policias civis estão em greve desde 7 de fevereiro (Foto: Cau Rodrigues/G1)Policias civis estão em greve desde 7 de fevereiro.
(Foto: Cau Rodrigues/G1)
O sindicalista afirma que categoria ainda não foi ouvida pelo governo. "Até agora não fomos chamados para nenhuma reunião. Queremos que pelo menos o presidente do Sindpol seja chamado para ouvir as nossas reivindicações", afirma Edeílton Gomes.
Já a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Gestão Pública informou que houve uma reunião com três representantes da categoria, inclusive com o presidente do Sindpol, no dia 19 de fevereiro. Ainda de acordo com a assessoria, as reivindicações do policiais civis foram apresentadas, mas, por enquanto, nenhuma decisão foi tomada.
Reivindicações
A categoria reivindica o piso salarial de 60% dos delegados de polícia e o Plano de Cargos, Carreira e Subsídios (PCCS), além do cartão alimentação, do adicional de periculosidade e do auxílio transporte.

Nas negociações, o secretário de Defesa Social, Eduardo Tavares, já acenou com o cartão de alimentação e se comprometeu a apresentar uma proposta de piso salarial aos policiais civis.
Fonte: G1-AL

Comentários

Seguidores